Municípios da região caem no ranking do emprego em julho; S. José tem alta

64% das cidades do Vale do Paraíba no ranking paulista do emprego caíram de posição em julho na comparação com o mês anterior; São José lidera lista regional no 22º lugar

Das 25 cidades do Vale do Paraíba mensuradas pelo ranking paulista do emprego, 64% (16 municípios) caíram de posição em julho na comparação com o mês anterior. O levantamento é feito por OVALE com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia. O ranking é formado pelas 370 cidades de São Paulo com mais de 10 mil habitantes. O resultado revela a baixa geração de emprego na região desde a eclosão da crise econômica, em 2014.

Neste ano, ainda que lentamente, o emprego começa a mostrar uma tendência de recuperação com 1.188 postos de trabalho criados no ano, entre janeiro e julho, de acordo com os dados do Caged.

RANKING. No entanto, o desempenho não foi suficiente para garantir avanço, no ranking paulista do emprego, para as cidades do Vale. Apenas nove municípios da região conseguiram melhorar a colocação no ranking em julho, contra 16 no período anterior. É a maior queda entre os municípios do Vale no ranking neste ano.

Não à toa, o número de cidades do Vale entre as posições 100 e 300 do ranking foi a segunda maior do ano, com 14 municípios. O recorde havia sido em abril, com 16.

CIDADES. Já tendo sido a vice-campeã do ranking em outubro de 2017, São José dos Campos subiu 321 posições e ocupa a 22ª colocação da lista em julho, melhor posição para uma cidade do Vale no mês. A cidade gerou 302 empregos no mês. As cidades de São Paulo (6.327 empregos), São José do Rio Pardo (1.122) e Vargem Grande do Sul (1.120) ocupam as três primeiras posições do ranking em julho. Depois de São José, a melhor ranqueada da região foi Caçapava, com 157 postos de trabalho criados em julho e na 42ª posição, três a menos do que em junho. Pindamonhangaba caiu 24 colocações e assumiu a 52ª posição do ranking, com 139 empregos abertos em julho. Completam o ‘top 100’ do ranking as cidades de Campos do Jordão (62º lugar/119 empregos), São Sebastião (90º/73), Guaratinguetá (92º/65) e Cruzeiro (99º/61). Taubaté caiu 297 posições no ranking –pior desemprenho na região– e ficou na 359ª colocação em julho, a mais baixa entre as 25 cidades do Vale. A cidade perdeu 195 empregos. Jacareí foi a antipenúltima cidade da região no ranking, ocupando a 338ª colocação, com o corte de 88 empregos. No entanto, a cidade subiu sete lugares ante a lista de junho, segundo o Caged.

DESAFIO. “A única forma de recuperar o emprego no Vale do Paraíba é a economia voltar a crescer, com investimentos. Mas eles só virão quando houver estabilidade no país e aprovação das reformas”, disse o economista Edson Trajano, do Nupes (Núcleo de Pesquisas EconômicoSociais), da Unitau (Universidade de Taubaté). Segundo ele, a dificuldade do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) manter uma estabilidade política afeta a economia. “Os novos investimentos não estão chegando. Há uma desconfiança na política econômica do governo”.

Fonte: Jornal O Vale / Xandu Alves